Jesse

Jesse

terça-feira, 14 de agosto de 2018

As desventuras em série do esquerdismo no Brasil : o começo do mau.


EPISÓDIO 1 – O COMEÇO DO MAU.

Os bonsbrasileiros são crianças inteligentes, encantadoras e desembaraçadas, com feições bonitas, mas com uma falta de sorte fora do comum, que atrai toda espécie de infortúnio, sofrimento e desespero: Lamento ter que dizer isso, mas o enredo da realidade do Brasil é assim, fazer o quê?

A infelicidade deles começou certo dia, quando no Brasil ainda tinha sal na terra. É que o sal é um conhecido preventivo contra os maus, especialmente o sal grosso. Fora do Brasil, dois irmãos gêmeos heterozigotos, o comunismo e o nazismo (GORDON, 2017), mataram milhões de pessoas (PANNÉ, 1999), e vieram aos poucos para o Brasil. Um dos gêmeos, o nazismo ficou mal afamado, é proibido por lei no Brasil, mas sobrevive de duas formas, a primeira é declarada, conhecido como neonazistas e na segunda forma, camuflado, escondidinho no DNA de seu irmão gêmeo, o comunismo.


Comunismo aqui é uma palavra que indica um conjunto de ideias que fizeram e fazem as pessoas acreditarem que quem é comunista é como um anjo na Terra, que luta para acabar com a pobreza. E aí que eu me lembro do Justo Veríssimo, uma criatura de Chico Anysio que dizia que gostava tanto dos pobres que queria enviar eles para Marte. Ou seja, o comunismo quer acabar com a pobreza acabando com os pobres, e isso não é brincadeira, a Venezuela está aí pra provar, os pobres que restam tentar chegar ao Brasil enquanto o  Brasil ainda não vira uma Venezuela, o que acontecerá se forem eleitos um dos três ex-ministro do molusco – Meirelles, Marina, Ciro; qualquer poste do PT ou o Alckmin, do PSDB, o velho aliado invisível do PT.

O comunismo é mais perigoso que o nazismo, pois foi tão maléfico quanto o nazismo, matou milhões de pessoas, mas usou da artimanha das cobras para ficar do lado vencedor da segunda guerra e assim não foi proibido na maioria dos países, hoje em dia é proibido em alguns países que tiveram milhares de mortes por causas de suas políticas disfarçadas de boazinhas.

O mau que se esconde atrás dos bons para depois torná-los maus é sempre mais perigoso que o mau que se mostra por inteiro.

No Brasil o comunismo já foi proibido, mas após dominarem a cultura e depois a política, conseguiram retirar a proibição, eles estão camuflados, espalhados por todo país e poucos percebem seus truques e artimanhas, eles têm diversos nomes e muitas vezes nem nomes tem para ficarem mais invisíveis ainda, até o seu líder não se diz comunista, mais os irmãos bonsbrasileiros o conhecem como o Líder Idéia, e esse episódio conta como tudo isso nasceu no Brasil, para infortúnio dos bonsbrasileiros.

Se eu fosse contar desde o nascimento fora do Brasil teria que falar de tempos muito antigos, que só existe algum registro nos livros sagrados, como na bíblia cristã que descreve em detalhes como são os comunistas, os filhos de Caim, nos seus 3 sub-tipos básicos:1) os hedonistas: “amantes de si mesmos, presunçosos, soberbos, desobedientes a pais e mães, ingratos, caluniadores, cruéis, mais amigos dos deleites do que amigo de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela” (2Timóteo 3:1-5); 2) Os pseudo-intelectuais: “Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.” (2Timóteo 3:7); 3) Aqueles dentre eles que chegam ao poder terreno e os que controlam as mentes das pessoas -  políticos e jornalistas comunistas-: “Aí de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós mesmos não entrais, nem deixais entrar.”

Mas para contar apenas a parte mais importante que está diretamente ligada às eleições de 2018 no Brasil, basta começarmos com os arquivos da KGB (polícia secreta soviética, hoje FSB) que demonstravam o plano de expansão do comunismo na América Latina usando como ponta de lança Cuba (continua até hoje), isso já estava descrito, em 1961, no Programa do Partido Comunista russo (GORDON, 2017), o que começa por uma intensa propaganda anti-EUA que continua até hoje, muitos brasileiros votam no comunismo (socialistas e petistas) só porque se acham vítimas do imperialismo americano e do capitalismo.

Em 1962, no governo João Goulart (Jango), na cidade goiana de Dianópolis, o Serviço de Repressão ao Contrabando desbaratou um plano de formação de um campo de treinamento das Ligas Camponesas (embrião do MST) que seriam treinados por comunistas cubanos para implementar a ditadura comunista no Brasil (GORDON, 2017), foi isso que o Regime Militar evitou no Brasil, a pedido da população (que antes não era tão controlada pela mídia), pelos empresários e pelos políticos.

Da mesma forma que hoje, qualquer cidadão que tivesse uma arma em casa e chegassem ladrões para torturar, roubar e matar sua família revidaria, as Forças Armadas brasileiras (FFAA) fizeram isso, e é muita cara-de-pau de maus brasileiros que apoiaram a tentativa da ditadura comunista russo-cubana de falar qualquer coisa que seja, mesmos dos excessos das FFAA brasileiras, como Dilma, Miriam Leitão (Globo), Ricardo Lessa (ex-MR8, hoje no Roda Morta), Franklin Martins (ex-Globo, ex-ministro do Molusco) e tantos outros espalhados na Folha de São Paulo, Estadão, Veja, Época, Isto É, enfim, todo grande veículo da mídia hoje no Brasil está infestado de comunistas, que adentraram ainda durante o regime militar (GORDON, 2017), esse conjunto midiático onde existe um comunista infiltrado pode ser chamado de impudor diário. Impudor aqui é um termo que quer dizer descaramento, desvergonha, imoralidade, impudência, desfaçatez dos comunistas infiltrados na imprensa prestando um desserviço ao país, o contrário do que uma imprensa de verdade deveria defender: o pundonor dos brasileiros e das tradições desse país.


Naquela época as FFAA brasileiras venceram os comunistas que aderiram à luta armada. Os comunistas queriam, na base da bala, transformar o Brasil no que é hoje a Venezuela. Porém, os militares da época foram ingênuos e deixaram os comunistas que não aderiram às armas (ou seja, os covardes) se espalhassem na mídia, nos ambientes culturais e na educação.

Assim, feito cupins, foram corroendo as bases da sociedade brasileira, preparando o povo para serem simpatizantes dos comunistas que retornariam após a saída dos militares do governo.

Essa corrosão foi feita por meio de novelas, filmes, e doutrinação na sala de aula (ROSSITER, 2016), junto com tudo isso eles precisavam de alguém que não fosse um “intelectual” para representar uma vítima do sistema, e para esse líder maior escolheram o molusco, pela imagem que ele representava na época.

Porém, eles ainda precisavam de um plano B, pois tinham certeza que a população não elegeria o molusco da primeira vez. Para isso fizeram o Acordo de Princeton (DE PAOLA, 2008), entre FHC e o molusco, companheiros de Diretas Já (qualquer pessoa não hipnotizada sabe que PSDB e PT são irmãos siameses) e deu tudo certo como planejado.

Assim que os militares saíram, assumiu Sarney, do PMDB, partido do Temer, que agora lançou o Meirelles (ex-ministro de Lula e Temer). O PMDB era o partido que estava todo infiltrado de comunistas (MACEDO, 2013; MOTTA, 1996; LAMEIRA, 2015), ou seja, bastou os militares saírem e os comunistas tomaram o poder político (mesmo que minoritariamente), mas eles queriam o que sempre querem, o poder total, a ditadura do proletariado.

Com a chegada ao poder de FHC, entrou em andamento a fase 2, da social-democracia, uma espécie de vaselina, para o povo ir se acostumando com o que viria no futuro. Depois de 8 anos preparando o terreno, era a vez de passar o poder ao PT, para tanto na eleição de 2002 colocaram o candidato mais fraco do PSDB para enfrentar o molusco, o também comunista José Serra, que voltou do exílio após o regime militar.

Os bonsbrasileiros ainda não sabiam, mais assim que os militares sairam do governo, tornarem-se órfãos, estavam já, indiretamente, nas mãos do Líder Idéia, e nem faziam ideia disso. Até hoje muitos não percebem e conto com cada um de vocês que leram esse episódio UM para que chegue ao grande público essa triste história dos órfãos bonsbrasileiros.

No Episódio DOIS, vamos conversar sobre Cobras, Cobras Corais.


REFERÊNCIAS

DE PAOLA, Heitor. Eixo do mal latino-americano e a nova ordem mundial. São Paulo: Editora É Realizações, 2008.

GORDON, Flávio. A corrupção da inteligência: intelectuais e poder no Brasil. Editora Record, Rio de Janeiro, 2017.

LAMEIRA, Rafael Fantinel; PERES, Paulo. O lugar do PMDB na política brasileira: o limite das tipologias partidárias. Anais do, v. 1.2015. https://www.ufrgs.br/sicp/wp-content/uploads/2015/09/Rafael-LameiraPauloPeres.pdf . Acesso em 31 jul.2018.

MACEDO, Edmar Almeida. Os trotskistas do Movimento Democrático Brasileiro ao Partido dos Trabalhadores: o debate no “Em Tempo” e a formação da DS. Revista Espaço Acadêmico, v. 13, n. 151, p. 74-82, 2013. Disponível em: http://ojs.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/21112 . Acesso em 31 jul2018.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A formação do MDB e a influência do quadro partidário anterior. Revista de Sociologia e Política, n. 06-07, p. 201-212, 1996. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rsp/article/view/39350 . Acesso em 31 jul.2018.

PANNÉ, Jean-Louis ett alli. O livro negro do comunismo: crimes, terror e repressão. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 1999.

ROSSITER, Lyle H. A mente esquerdista: as causas psicológicas da loucura política. Vide Editorial, Campinas, 2016.

SNICKET, Lemony. Desventuras em série – Livro 1. Mau começo. 1ª edição. São Paulo. Cia das Letras, 2001.

2 comentários:

  1. Texto muito bem fundamentado. Porém, as opções possíveis de candidatos para as eleições de 2018 também são péssimas...se correr o bicho pega, se ficar o bicho come!!!

    ResponderExcluir
  2. Verdade, talvez por isso pessoas mais práticas tenham uma solução para esse seu dilema, veja a seguinte opinião: https://www.youtube.com/watch?v=9a-7mZjSjIQ

    ResponderExcluir